Reblogando #24

Hey pessoal, tudo certo? :)

O link que eu compartilho hoje é de um site chamado Nó de Oito e fala sobre a diferença entre retratar o machismo e endossá-lo, um problema muito comum nas obras de ficção de hoje. A autora do texto usa o exemplo dos livros de Game of Thrones e contrapõe com o seriado. É bem interessante e vale a pena dar uma olhadinha!


Clique na imagem

Top 5 // Evidências de que No Limite da Razão foi mesmo baseado em Persuasão

Há alguns meses eu fiz um post bem parecido com esse falando 5 evidências que comprovam que O Diário de Bridget Jones foi baseado em Orgulho e Preconceito. Gostei muito do resultado e resolvi fazer a mesma coisa com a continuação da história, Bridget Jones: No limite da razão.

Caso você ainda não saiba, o livro de Helen Fielding foi baseado no romance Persuasão de Jane Austen e aí estão 5 fatos que comprovam isso (na minha humilde opinião, haha).

1 - Traição
Bridget tem absoluta certeza que Mark a está traindo com Rebecca e Anne acredita com todas as suas forças que é traída por Frederick com Louisa. Mal sabem as pobrezinhas que estão completamente enganadas, não é mesmo?! O que torna essa semelhança ainda mais importante é que nas duas histórias, as protagonistas tem uma relação de amizade com as supostas traidoras.

2 - Londres
Como todos bom romance de Jane Austen, Persuasão se passa na Inglaterra do século XIX, tendo como um de seus cenários, a cidade de Londres. Da mesma forma, como toda boa história de Bridget Jones, No Limite da Razão, tem como plano de fundo a Londres contemporânea.

3 - História do casal
Desculpa o belíssimo spoiler, mas as duas histórias falam de um casal se convencendo a ficar junto novamente. Ambos tiveram um relacionamento (que terminou pelo motivo do próximo tópico), ainda se amam e precisam se entender novamente, porque é óbvio que ficarão juntos no final!

4 - Persuasão
Nas duas histórias, o romance do casal termina devido a persuasão de terceiros. No caso de Bridget, são suas amigas que enchem sua cabecinha de inseguranças e, com Anne, é sua amiga, Lady Russel, que a convence a não aceitar a proposta de casamento de Wentworth, por ele não ser rico o suficiente.

5 - Benwick
Essa última semelhança confesso que só percebi quando estava pesquisando para escrever sobre os livros, mas é sensacional! Em Persuasão há um personagem chamado Benwick, um capitão que acabou de perder sua mulher e se torna extremamente melancólico por isso. Em No Limite da Razão, Helen Fielding nos surpreende com outro Benwick. Dessa vez ele é um amigo de Mark, que acabou de ser deixado pela esposa. Não é legal?


E aí, pessoal? Vocês conseguem identificar mais alguma semelhança entre as duas histórias? Em breve escreverei sobre cada um dos livros e os seus filmes. Até mais!

Feliz Ano Novo + Metas para 2017

Hey pessoal!
Mais um ano começando! :) Que 2017 venha recheado de leituras maravilhosas!


E vamos as metas literárias...

Nos últimos anos, tenho estabelecido metas e desafios para minhas leituras e me sinto muito reconfortada ao chegar no final do ano com a maioria delas cumpridas. Para 2017, decidi fazer um pouco diferente, vou estabelecer algumas metas mais pontuais e tentar cumpri-las ao longo do ano. Espero que dê tudo certo. :)

1ª - Ler ao menos 2 livros em alemão
Der Junge im gestreiften Pyjama
?

2ª - Terminar a série Diários do Vampiro (pelo menos os livros que eu já tenho)
Reunião Sombria (releitura)
A fúria (releitura)
Meia-Noite
Almas Sombrias
Anoitecer

3ª - Ler 2 livros para o Desafio Jane Austen
✓ Persuasão
✓ Bridget Jones: No limite da Razão


4ª - Terminar os livros começados
Os Miseráveis
Os Alemães
Eva Braun
História dos Jornais no Brasil


Balanço Literário 2016

Hey pessoal!
Como não podia deixar de ser, o último dia do ano é dia de fazer o tal do Balanço Literário.

Pois bem, 2016 não foi o melhor ano, mas foi melhor que 2015! :) Ao longo deste ano li 26 livros, somando 7.263 páginas. Maravilhoso, né? Dos 30 livros que me propus a ler, apenas 3 ficaram para trás e 1 pela metade. Este um é Os Miseráveis e, para mim, já foi uma vitória ter lido metade dessa belezura.


Este ano, novamente me propus a comprar livros apenas para lê-los imediatamente e evitar acumular títulos não lidos. Acho que a meta foi cumprida!

- Comprei 6 livros e li 4. Dois ficaram pela metade (Box Saga Encantadas e Os Miseráveis).
- Recebi 8 livros entre trocas, sorteios e presentes. 4 já não estão mais na minha estante, pois foram trocados e 3 ficaram ainda não lidos.

Em 2016 também fiquei muito feliz por retomar as leituras através do Grupo do Livro Viajante no Skoob. Foram 3 livros que chegaram, foram lidos e seguiram viagem!


De apontamentos negativos, tenho que dizer que, definitivamente, a TBR Jar não funciona para mim! Eu preciso estar no clima para ler os livros e toda vez que tentei sortear, a leitura não fluiu. Então, ainda verei o que fazer com ela. O meu Desafio Jane Austen também não foi grande coisa, mas de pouquinho em pouquinho, eu chego lá. haha Este ano li dois livros do Desafio e assisti um filme.

Na eleição do melhor livro do ano, tive bastante dúvida, mas decidi escolher Harry Potter e a Criança Amaldiçoada. Não pela história em si, pois me incomodei com algumas coisas durante a leitura e dei 4 estrelas, mas pelo 'conjunto da obra', por toda a movimentação que houve este ano por causa do livro e pela emoção de ler novamente um livro de Harry Potter. A sensação foi incrível, me senti uma criança novamente indo na livraria buscar meu exemplar no dia do lançamento. 2016 foi maravilhoso para qualquer Potterhead!


Enfim, termino 2016 com os seguintes números no Skoob:


 
Voltar ao topo